Eternizar

Os beatles nasceram no início da década de 1940, ou seja, há 70 anos atrás.

Se reuniram, como banda de rock, em 1957, ou seja, há 53 anos atrás.

Fizeram sucesso explosivo em 1963, ou seja, há 47 anos atrás.

Bem, depois disso eles nunca mais deixaram de fazer sucesso.

A geração deles os venerou, a geração antes deles, e as gerações depois. Tanto é que jovens de 18 anos hoje se empolgam com a mesma intensidade que os jovens da década de 60. Eu até conheço crianças de 4 anos que gostam.

Ao longo desse tempo todo, muitas bandas surgiram. Muitas se eternizaram, mas muitas simplesmente se vaporizaram. O tempo passou, se modernizou, o estilo musical mudou, mas a veneração pelos beatles só aumentou. Mesmo 50 anos depois da banda, ela não soa como velha.

Ontem o Paul McCartney fez seu primeiro show da turnê aqui no Brasil. E duas garotas conseguiram o que todos os beatlemaníacos no mundo almejam: elas foram chamadas para subir no palco pelo próprio Paul, que assinou o braço delas.

Tudo isso por causa de um cartaz que elas levaram, e ele leu (clique na imagem para ver a reportagem sobre isso).

 

Agora, a minha pergunta é: POR QUE eles se eternizaram? O que deixou suas músicas tão excepcionais? Mesmo que você não seja fan ou não goste dos Beatles, não pode negar que a influência deles é poderosa, quase  que uma magia. A prova disso são os milhares de fans que surgem ao longo dos anos, e aqueles que permanecem fans ao longo dos anos.

Desde quando me encantei com Beatles pela primeira vez, eu me pergunto isso. O que vocês acham?

Me ajudem a desvendar o mistério! 🙂

Anúncios

Se você estivesse aqui hoje…

Fases iniciadas com “se”, terminadas com reticências e verbos no modo subjuntivo, o modo da hipótese: dá pra deduzir algumas coisas relevantes.

Por exemplo, o sentimento de arrependimento que envolve o coração de quem disse isso; ou também que há algo não resolvido por completo por culpa de algo maior, fora de controle.

Bem, vamos deixar essa idéia em stand by por um momento. Agora lhe pergunto: você já ouviu alguma música que o fez arrepiar na hora, ou até mesmo que o emocionou?

Já? Qual música?

Se sua resposta foi sim, isso significa que essa é definitivamente uma música muito boa. Significa que o sentimento do autor era bom e contagiante o suficiente para encontrar ressonância no coração de seus ouvintes (há, falei bonito, pode falar, hihihihi).

Eu já ouvi uma música que provocou esses sintomas em mim. Na verdade, já ouvi várias músicas que me fizeram arrepiar. Mas apenas uma me fez chorar, um choro silencioso e inconsciente; foi engraçado, pois eu nem prestava atenção em nada a não ser na música, e as lágrimas simplesmente saltaram aos olhos, silenciosas e reconfortantes.

Confesso que eu fiquei impressionada com aquilo, e até comecei a rir sozinha. Foi apenas quando a música acabou que eu refleti sobre o acontecido.

A música foi escrita por um amigo quando seu grande amigo faleceu. Porém, eles eram amigos que não se falavam direito devido a alguns assuntos – picuinhas – não resolvidos. Apesar disso, os dois sabiam que se amavam, e que a amizade que eles construíram era profunda o suficiente para que existissem picuinhas (afinal a gente só tem picuinhas e cobranças com quem nos importamos, certo?).  Infelizmente os amigos não tiveram a permissão de se resolverem por completo. E dá pra sentir na música esse sentimento arrependido de que todas aquelas diferenças não passavam de picuinhas quando, com a perda, percebeu-se o verdadeiro valor da amizade.

Engraçado que a música teve um sabor diferente porque eu sabia da história e consegui entender a mensagem. Por isso eu expliquei pra vocês, e gostaria que vocês ouvissem a música 🙂 Continuar lendo

Parabéns Paul!

Hoje é sexta-feira, dia 18 de Junho. Há 68 anos atrás nasce James Paul McCartney.  O Beatle canhoto, com personalidade doce e rostinho de garoto bonzinho, dono de um vozeirão e de uma criatividade e genialidade musical difícil de se ver por aí.

Achei um vídeo muito bom, e gostaria de compartilhar com vocês. Trata-se de uma homenagem que o presidente Barack Obama fez para Paul quando o presenteou com o prêmio anual de grande contribuição para a cultura americana.

Vou transcrever alguns trechos (a partir de 2:30 no vídeo – o inglês do Obama é muito bom, fica a dica pros aprendizes praticarem):

“Passamos com dificuldade por este ultimo um ano e meio e neste momento nossos pensamentos e orações estão com amigos em outra parte do país que possui um legado musical extremamente rico: as pessoas da Costa do Golfo que estão lidando com uma situação que nós simplesmente não tínhamos visto antes. É de partir o coração. E reafirmamos  juntos, eu acho, nosso comprometimento para  cuidar disso afim de que suas vidas e comunidades sejam unificadas novamente. Continuar lendo