Dançando na chuva

Na tentativa de ser uma boa escritora, levou algum tempo para eu perceber algo importante. Obviamente a grande meta é ser reconhecida por isso; mais óbvio ainda é saber que essa meta só será atingida depois de certo tempo de prática. Até lá, terei minha oportunidade de escrever todos os meus textos ruins para, então, registrar os bons.

Voltando ao algo importante, sim… percebi que mais importante do que atingir a minha meta é saber reconhecer os textos bons das outras pessoas. Além de ser um treino de humildade, é um fato que, de alguma maneira, envolve a natureza humana: é impossível se atingir o nível máximo de algo; sempre há mais um degrau a subir, e o verdadeiro expert é aquele que nunca para de subir. Em outras palavras, se sempre há mais um degrau, sempre há alguém melhor do que nós.

Com essa idéia, decidi compartilhar um mini-texto que, apesar da extrema objetividade, é um dos textos mais perfeitos que eu já li. É de autoria desconhecida, mas aposto que a pessoa que disse (ou escreveu) isso é um grande sábio. Leia, e entenderá o porquê. 🙂

“Viver não é esperar a tempestade passar; é aprender a dançar na chuva.”

Vamos todos dançar na chuva, porque é algo realmente divertido de se fazer! 😀

O Tango e sua história

Adoro quando o blog ganha colaborações interessantes… Deu até vontade de aprender a dançar tango depois de ver os vídeos, haha! 🙂

por Luiz Fernando

Con permiso… ¡Yo soy el Tango…!

Yo soy el tango que llega por las calles del recuerdo…
¿Donde nací? Ni me acuerdo, en una esquina cualquiera.

Una luna arrabalera y un bandoneón son testigos.
Yo soy el tango argentino, cuando guste, ¡cuando guste y donde quiera!

 

Com licença… Eu sou o Tango!

Eu sou o tango que chega pelas ruas das lembranças…

Aonde nasci? Nem me lembro, em uma esquina qualquer.

Uma lua suburbana e um bandoneón são testemunhas.

Eu sou o tango argentina, quando goste, quando goste e onde queira!

(Letra de Gotan Project, Inspiración, La Cumparsita)


 

Complexo por natureza e heterogêneo por formação, o tango é hoje muito mais do que uma música, uma dança. Gerado nos berços híbridos da região do Rio da Prata, o estilo tango obteve suas várias facetas e formas, acrescentando a si a cultura de quem direto ou indiretamente o formatou.

Explicar o tango a quem não o conhece de verdade é muito difícil. Dança sensual, música bem construída, movimentos firmes e elegantes, letras pesadas e técnicas avançadas, todos são visualizações superficiais do tango que apenas definem o visual e o audível. O tango vai além, entra no âmago do espírito de quem o ama, transforma a vida de quem o deseja. Caminhar é tango, se relacionar também. Pensar, sentir, beijar, amar, conversar, trabalhar, sonhar, tudo isso é ser tanguero. A dança e a música são apenas instrumentos da vida e reflexos de quem vive o tango. Continuar lendo