A cartomante

Juliana era uma doce jovem, de lindos cabelos cacheados negros, com seus olhos verdes. Com seus 20 anos recém completados, qualquer um que a olhasse pensaria que não iria mais encontrar alguém tão bela. Sua vida profissional não ia bem, de certo se preocupava com tal situação, mas nada que a alarmasse. Entretanto, naquela segunda-feira, acontecerá o inesperado. Seu noivo rompia tudo, não havia mais compromisso. Agora nem trabalho, nem amor. Para ela nada fazia mais sentido. Cada um suporta o que pode suportar. Para ela fracasso profissional não era motivo de desespero, mas, por algum motivo, suportar a perda de uma paixão era a maior desilusão.

Naquela semana, ao sair para seu trabalho, viu a porta aberta de uma cartomante. A vontade em saber o futuro era inevitável. Sempre vêm aquelas vozes, “Você acha que vai mudar de vida ouvindo uma cartomante”, “ele não irá voltar só de saber o futuro”. Mas alguns porquês deveriam ser respondidos. Resolveu entrar.

Continuar lendo