ENEM? Ah, nem!!!

Recebi um e-mail de um amigo da faculdade. Ele tá fazendo mestrado e mandou uma notícia sobre o ENEM. Para conferir clique aqui. Bem, o que chamou a atenção na notícia foi seguinte trecho:

Informado pela imprensa sobre o teor da decisão da juíza Carla de Almeida Miranda Maia, da 7ª Vara Federal do Ceará, que determinou a suspensão das provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2010, o Ministério da Educação esclarece que a preocupação da magistrada referente à igualdade de condições dos concorrentes está assegurada pela utilização da Teoria de Resposta ao Item (TRI).

Mas o que seria essa TRI e por que estaria assegurada tal isonomia do ENEM? Vamos a explicação encontrada na própria página do ENEM:

O que é a TRI e o que ela modificou no esquema de correção de prova?

A TRI preocupa-se na dificuldade item a item, substituindo a Teoria Clássica, onde a preocupação é a dificuldade da prova como um todo. Na TRI cada questão recebe uma pontuação, devido a dificuldade de cada questão. E o resultado final é o escore, a soma das pontuações atribuídas aos itens (ou questões), considerando acertos ou erros.

A TRI possibilita a criação de uma medida (escala) para medir o conhecimento do indivíduo, como se criasse uma régua para medir o conhecimento. Isso possibilita a comparabilidade entre provas diferentes. Existem instrumentos para medir peso, altura, distância, mas não há um instrumento que meça, de forma direta, o conhecimento. Com a TRI, o que se pretende é criar uma unidade de medida para o conhecimento.

Outra aspecto importante é a questão da identificação do chute com a TRI. O aluno que “chuta” não é penalizado. O que ocorre é que esse acerto ao acaso, no entanto, não dará uma pontuação tão alta quanto daria a uma pessoa que, pelas outras questões acertadas, mostra um padrão consistente de respostas corretas.

Texto adaptado do site http://www.enem.inep.gov.br/faq.php#23

Ahhhhh, agora sim!! Não entendi nada!! Rsrs

Imagine um time de vôlei mediano como uma prova do ENEM.

Cada jogador é um item. Ao analisá-lo imagine o seguinte:

Dois jogadores são ruins, dois são bons e outros dois são excepcionais. Ao trocar um jogador ruim por outro ruim, o time continuaria mediano. O grande desafio seria como definir um jogador como ruim, bom ou excepcional, concordam? É nessa fase que a TRI entraria. Ela consegue dizer a habilidade do jogador.

Se eu quiser construir outro time mediano, eu estimaria através da TRI a habilidade de seis jogadores, sendo que eu escolheria dois ruins, dois bons e dois excepcionais. Teoricamente, eu teria dois times iguais.

Entãão GIBA NELES!!!!!

Agora entendi. Então realmente poderia haver uma nova prova com o mesmo nível de dificuldade? A resposta é: COM CERTEZA. Isso seria possível sim. Mas no caso da prova do ENEM acredito que seria desigual aplicar uma prova para 20 mil candidatos, com a mesma dificuldade. Por quê? A curva do conhecimento, segundo a TRI é a seguinte:

Essa curva mostra que a curva de aprendizado não é linear, isto é, o tempo/esforço para aprender o básico é menor do que para aprender o avançado. Caso seja dado uma nova oportunidade para 20 mil candidatos fazerem a prova novamente, isto significaria dar a chance deles aumentarem o nível de conhecimento. Talvez não seja tempo suficiente para alunos com o nível de conhecimento alto aumentarem muito suas notas consideravelmente, MAS com certeza seria um tempo suficiente para alunos com pouco conhecimento passarem obter notas consideravelmente maiores. Nesse aspecto, considero que fere a condição de igualdade com outros candidatos.

Em outra palavras, é mais fácil você passar de jogador ruim de vôlei para um jogador mediando, do que passar de um bom jogador para um excepcional.

O que me pergunto é o por quê de tantos problemas com o ENEM? Por que as principais faculdade federais não a utilizam em seus processos seletivos? Acredito que seja reflexo de um desleixo com a educação. Não desleixo por parte do INEP, nem do MEC, pois a gestão mudou e os problemas continuam. Existe algo errado, o que seria?

A pergunta que deixo com vocês é: “se você fosse um dos candidatos, acharia justo alguém fazer a prova com o mesmo nível de dificuldade, após um certo tempo?”

Anúncios

9 respostas em “ENEM? Ah, nem!!!

  1. Maps, eu tenho minhas dúvidas quanto ao ENEM, considerando o que ele propõe e a forma de avaliação. Primeiro, se ele quer avaliar o conhecimento dos alunos, fazer uma prova LONGA em dois dias não é a forma mais eficaz para isso. Anyway….

    • Os condições de avaliação com certeza serão melhorados. A ideia de implantar a TRI já é um avanço ao meu ver. O que considero o importante é a seriedade que o governo vai dar para o exame. Infelizmente, as instituições educacionais no Brasil não se uniram ainda para dar o salto de qualidade no ENEM!

  2. Não acho justo! Eu fiz essa merda dessa prova. Não é difícil, é ridícula, uma prova sem nexo, os alunos tem que chutar as últimas questões porque não dá tempo de responder – eles colocam MATAMÁTICA (que requer muito tempo ainda mais sem calculadora) e REDAÇÃO (que tb demanda tempo) no MESMO DIA! Todos pagaram R$35,00 para concorrer no nível da MESMA prova. Claro, vc tem razão quando diz que as pessoas não terão tempo para elevar o nível de conhecimento e aumentar a nota! Porém, não existe prova com o mesmo nível de dificuldade de outra. O fato é que há temas em que eu mando bem e o Euler não e vice versa. Na provável prova que será aplicada pode cair questões na qual eu tenha mais domínio e outras não! De maneira geral, o nível de exigência que se faz do aluno deve ser mantido. CASO seja para todos! Se o problema é aplicar apenas para os prejudicados, eu e o Brasil inteiro estamos incluidos, pois TODOS os gabaritos, independente da cor da prova, estavam trocados… E outra, qual é o objetivo dessa avaliação??? Sim, há faculdades federais que utilizam como vestibular mais e daí? A UnB não aceita e nem vai aceitar (GRAÇAS A DEUS). As particulares aproveitam através do PROUNI que é uma tentativa de incluir as pessoas de baixa renda capacitando-as a nível superior – o que é ótimo, entretanto as pessoas que se encontram na classe média não são tão pobres a ponto de comprovar renda abaixo de 3 salários mínimos e nem ricas para pagar uma universidade DE QUALIDADE! As pessoas que passam por isso tem dois caminhos. Ou terminam o EM e vão trabalhar, sem perspectiva de vida ou ficam como eu, ralando pra passar na UnB. Claro, é um desejo meu, mas se não fosse??? Com relação a isso acho sim uma falha do MEC!

    Enfim, é lamentável um método que tem tudo pra dar certo ser assim, tão displicente com os estudantes. Siceramente o CESPE devia monitorar a aplicação das provas, devia elaborar sem a CESGRANRIO (que só dá problemas)…

    Mila

    • Mila, só fazendo uma correção. Eu disse que pessoas com MUITO conhecimento não terão tempo para elevar o conhecimento. Já pessoas com POUCO conhecimento podem elevar consideravelmente o seu conhecimento em pouco tempo.

      Como já disse, isso só vai dar certo quando as instituições federais se interessarem por ela. Como algo que o governo faz pode ser importante se as próprias instituições de ensino superior não dão o devido crédito?

  3. Acho uma palhaçada o ENEM existir E contar na hora de ingressar na faculdade. A gente já faz um vestibular do ca…… Por que fazer duas provas pra entrar na faculdade? Eu tenho uma teoria… O Cespe arrumou um jeito de ganhar dinheiro fácil, fica inventando prova e as torna obrigatórias.
    O que falta é ENEM contar pra concurso… Já pensou o desespero dos concurseiros de terem que estudar pro ENEM E pro concurso?

  4. Aah, eu sei que vc disse que pessoas com MUITO conhecimento não terão tempo para elevar o conhecimento. Já pessoas com POUCO conhecimento podem elevar consideravelmente o seu conhecimento em pouco tempo. É que fiquei com preguiça de escrever tudo isso e o comentário já tá mto grande! hahaha

    Jana, aí vai ser ENEC…uma merda!

  5. Olha, sei q é muito chato todo o processo da inserção na faculdade. Pra ser bem sincero, pontos bem questionáveis como o ENEM, CESPE e o vestibular só existem pq existe algum erro anterior ao processo de entrada na universidade. Esse erro pra mim é o Ensino Médio, q hoje parece mais uma fábrica de alunos capazes de passar numa prova q criar mentes pensantes, que internalizam valores e conhecimento. ENEM, CESPE, vestiba, PROUNI, são todos medidas capengas q n resolvem o problema e q só colaboram pro processo de alienação dos ensinos de base no Brasil. Pra mim tinha q ser como é no resto do mundo, onde vc manda seu currículo faz entrevista, pega carta de recomendação, rala de verdade na escola pra ter reconhecimento, ao invés de participar de uma prova extremamente seletiva que cobra tudo e q no dia pede pouco, como é o vestiba. Isso evitaria um CESPE da vida, q monopoliza uma prova e q n a bate com a realidade.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s